mala de viagem

As novas regras estabelecidas pela Agência Nacional de Aviação Civil estão movimentando o mercado de turismo no Brasil. A Anac resolveu regulamentar diversos itens da relação entre as companhias aéreas e os consumidores. Entre eles, os prazos para desistência de viagem, normas para reembolso e correção do nome do usuário. No momento, o ponto mais polêmico da resolução 400, que se refere ao fim de franquia de peso e à possibilidade de cobrança das bagagens despachadas, foi suspenso por meio de liminar da Justiça Federal de São Paulo, que atendeu ao pedido do Ministério Público Federal. Na ação, o MPF argumentou que a cobrança fere os direitos do consumidor.

Diante disso, continuam valendo os atuais procedimentos de despachos de malas com franquia de 23 quilos para vôos nacionais e 32 quilos para vôos internacionais.

A resolução Anac 400 diz que as empresas aéreas devem:

  • Divulgar os valores que devem ser pagos caso de excesso de bagagem
  • Corrigir erro no nome e sobrenome, por solicitação do passageiro, até 3h antes do voo comprado, sem que haja custo. Apenas no caso de erro no nome em voo internacional interline (prestado por mais de uma empresa aérea), os custos da correção poderão ser passados para o passageiro.

Em caso de cancelamento de passagem:

  • Não aplicar multa superior ao valor da passagem.
  • Reembolsar integralmente ao passageiro a tarifa de embarque e demais taxas aeroportuárias ou internacionais.
  • Oferecer opções de passagens com regras flexíveis, garantindo até 95% do reembolso.

Em casos de desistência da compra da passagem:

  • Aceitar a desistência da compra da passagem em até 24h depois de o passageiro já ter recebido o comprovante da passagem, desde que essa aquisição tenha ocorrido com antecedência mínima de 7 dias da data do voo.
  • Não cancelar automaticamente o trecho de volta no caso de o passageiro não comparecer ao voo de ida. Isso desde que o passageiro entre em contato com a companhia aérea para falar sobre o assunto.
  • Aplicar franquia de 10kg, no mínimo, para bagagem de mão (observado o limite da aeronave e a segurança do transporte). Até então, a franquia máxima era de 5kg.

Em casos de extravio de bagagem:

  • Devolver bagagem extraviada em voos domésticos em até sete dias (antes o prazo era de 30 dias). Já para voos internacionais, ela deverá ser entregue até 21 dias. O passageiro deverá fazer imediatamente o protesto. Caso a empresa aérea não encontre a bagagem no prazo indicado, terá até sete dias para pagar a indenização devida (até então não havia prazo definido).

Em casos de dano ou violacão:

  • Reparar o dano ou substituir a bagagem em até sete dias após o protesto e indenizar a violação nos mesmos sete dias. O passageiro tem até sete dias para fazer o protesto.

Um projeto de decreto legislativo, em tramitação no Congresso Nacional, já aprovado no Senado em dezembro de 2016, também derruba a cobrança  pelas bagagens despachadas. O projeto ainda será analisado pela Câmara dos Deputados.

Acrescentaria ainda:

Em caso de atraso de vôo superior a 4h a cia aérea é obrigada a fornecer alimentação conforme o horário das refeições(café da manhã, almoço e janta). Referente a hospedagem, as cias só serão obrigadas a fornecer se o atraso se estender de um dia para o outro(pernoite).

Tabela publicada pela ABRACORP – Associação Brasileira de Viagens Corporativas

Uma pesquisa realizada pelo site Booking.com apontou uma nova tendência em viagens de negócios. O estudo mostrou que as pessoas que viajam a trabalho também gostam de inserir atividades de lazer no mesmo período. Eles consideram uma boa oportunidade para visitar lugares inéditos ou conhecer novas culturas. A pesquisa foi feita com cerca de 4.600 viajantes de negócios que passaram nos últimos 12 meses pelos países: EUA, Reino Unido, Alemanha, França, Espanha, Japão, China e Itália.

bleisure

 Aproximadamente  20 por cento dos entrevistados disseram preferir emendar a viagem de negócios com as férias ou aproveitar um feriado para ficar mais alguns dias no destino. Por isso é importante observar algumas dicas interessantes para aproveitar o tempo livre mesmo tendo afazeres profissionais. Entre uma reunião e outra é possível passear, relaxar ou mesmo praticar algum esporte. Se esse é o seu caso, a Casablanca Turismo tem algumas dicas pra deixar sua viagem ainda mais interessante.

bleisure

·         Como numa viagem a trabalho não é possível fazer uma programação prévia, checando locais que se quer visitar, é preciso conversar com quem conhece o local visitado. Funcionários de hotéis e restaurantes podem indicar lugares interessantes que abreviam a procura. Dessa maneira, aquela horinha vaga entre as atividades profissionais pode ser mais bem aproveitada.

·         Se puder, aproveite para marcar reuniões em parques, cafés ou restaurantes. Além de ser um ambiente agradável, é uma boa chance de conhecer a culinária local ou se ambientar com o dia a dia da cidade.

·         Se estiver numa grande cidade, verifique a programação cultural nos sites e jornais locais. Normalmente, os grandes centros possuem atividades artísticas em vários horários e locais.

·         Dê uma caminhada nos arredores do hotel em que estiver hospedado para conhecer as redondezas. Muitas surpresas podem aparecer nas ruas próximas, como museus, galerias ou um charmoso bistrô.

·         Tente emendar a viagem com o fim de semana marcando a passagem de volta para o domingo. Com dois dias extras dá pra fazer um city tour, conhecer uma praia ou simplesmente aproveitar as áreas de lazer do hotel.

·         Tire um tempo pra relaxar e aproveite as dependências do hotel. Faça uma massagem num SPA, tome uma sauna ou use os serviços do salão de beleza.

Casablanca lança ferramenta de Businnes Inteligence que permite gerenciamento e redução de custos com viagens corporativas

Saiba mais…

Alguns serviços diferenciam uma agencia de viagens tradicional de uma TMC, pois estas possuem no escopo de trabalho um grande número de ferramentas e serviços específicos, principalmente soluções e ferramentas tecnológicas: Saiba mais…

Um item importante para a gestão de fornecedores é o olhar atento na qualidade de produtos e serviços nas viagens corporativas. O gestor deve ter ferramentas para acompanhar e medir a satisfação dos usuários, que são os viajantes ou solicitantes de viagens. Saiba mais…